top of page

10 melhores livros Distópicos imperdíveis para aumentar seu repertório

Atualizado: 10 de jul.

O que é Distopia?

Livros que falam de Distopias

Antes de explicar, vamos falar de utopia, que consiste em um sistema perfeito e preza o bem estar, a felicidade e tudo melhor para as pessoas, ou seja, a sociedade perfeita.


Distopias são narrativas que descrevem sociedades fictícias ou futurísticas caracterizadas por condições opressivas, injustiças sociais, controle autoritário e frequentemente uma atmosfera sombria.


Geralmente ambientadas em um futuro distante, ou não, os escritores nos transportam para aquela realidade diferente, mas que carrega muitas características cotidianas.


A literatura distópica serve para causar reflexões e estranhamento no leitor ao mostrar características políticas e comportamentos que temos, isso nos faz questionar algumas coisas.


Qual a importância do repertório para o ENEM?

Ter um repertório amplo e diversificado é fundamental para se destacar na redação do ENEM. Esse repertório não apenas amplia a capacidade argumentativa do candidato, mas também enriquece a contextualização dos temas propostos, permitindo uma análise mais profunda e crítica. 


A seguir, discutimos as principais razões pelas quais um repertório é essencial para o sucesso na redação do ENEM:


Aprofundamento do conhecimento

Um repertório variado, que inclui literatura, filosofia, história, sociologia e atualidades, permite ao estudante abordar os temas com maior profundidade. Conhecimentos advindos de obras literárias, por exemplo, oferecem exemplos concretos e bem elaborados para sustentar argumentos. 


Desenvolvimento da argumentação

A capacidade de argumentar de forma coerente e convincente é uma das habilidades mais valorizadas na redação do ENEM. Um repertório cultural e acadêmico rico permite que o candidato desenvolva argumentos sólidos e bem fundamentados. 


Interdisciplinaridade

O ENEM valoriza a capacidade de interligar conhecimentos de diferentes áreas do saber. Um repertório diversificado facilita a construção de textos que transitam por várias disciplinas, oferecendo uma visão completa do tema proposto.


Obras literárias e filosóficas, como as mencionadas anteriormente, proporcionam um terreno fértil para estabelecer conexões entre diferentes campos do conhecimento, como sociologia, psicologia, ciência política e ética.


Contextualização e Atualização

Estar atualizado sobre os debates contemporâneos e ter conhecimento sobre obras clássicas permite ao candidato contextualizar melhor o tema da redação.


A capacidade de relacionar o assunto da prova com questões atuais ou históricas demonstra ao corretor que o estudante está bem informado e tem um entendimento abrangente do mundo. Isso é especialmente útil para temas de redação que abordam problemáticas sociais, políticas e culturais contemporâneas.


Criatividade e Originalidade

Um repertório extenso oferece uma base rica para o desenvolvimento de ideias originais e criativas. Conhecimentos diversos permitem ao candidato fugir do lugar-comum e apresentar argumentos inovadores, aumentando suas chances de obter uma nota alta. 


A originalidade e a capacidade de surpreender positivamente o corretor são fatores diferenciadores em uma avaliação com milhares de candidatos.


Desenvolvimento Crítico

A leitura e o conhecimento de obras distópicas, por exemplo, desenvolvem o pensamento crítico e a capacidade de questionar estruturas de poder e normas sociais. Isso é essencial para a redação do ENEM, que frequentemente aborda temas complexos e desafiadores. 


A capacidade de analisar criticamente e de forma independente é uma competência fundamental que se reflete diretamente na qualidade do texto produzido.


Por fim, possuir um repertório amplo e variado é necessário para o sucesso na redação do ENEM. Ele proporciona ao candidato as ferramentas necessárias para construir argumentos sólidos, contextualizar temas de forma abrangente, estabelecer conexões interdisciplinares e desenvolver um pensamento crítico e original. 


Investir em leituras diversificadas e manter-se atualizado sobre os debates contemporâneos não só aumenta as chances de uma boa pontuação, mas também contribui para a formação de um cidadão mais informado e consciente. 


Cultivar um repertório rico é uma estratégia indispensável para quem deseja se destacar na redação do ENEM e em outras áreas do conhecimento.


Quais são os benefícios da leitura? 

Pessoa incluindo novas palavras em seu repertório, vantagem da leitura.

Através da leitura, somos transportados para diferentes mundos, nos colocamos na pele de personagens diversos e exploramos ideias complexas. Além disso, a leitura nos ajuda a aprimorar habilidades linguísticas, estimula a criatividade e amplia nossa capacidade de reflexão crítica. 


Nos tempos modernos, em meio a um cenário de constante mudança e desafios sociais, a leitura de distopias tem ganhado destaque. Essas narrativas distópicas oferecem um espelho para examinar as falhas da sociedade contemporânea, ao mesmo tempo em que exploram possíveis futuros sombrios.


Portanto, a leitura de distopias não apenas satisfaz a nossa curiosidade intelectual, mas também nos estimula a pensar criticamente sobre o mundo ao nosso redor e a buscar soluções para os desafios que enfrentamos.


Listamos as vantagens dessas leituras e o quanto elas são importantes para a realização do Enem. 


Vantagens da Leitura


  • Possibilitando que nossa expressão na linguagem formal, exigida em exames como o Enem, seja cada vez melhor, ajudando-nos a fazer bom uso de sinônimos e articuladores argumentativos.


  • Contribuindo para a seleção de ideias, fatos e informações que podem ser utilizados na construção de argumentos sobre os mais variados temas.


  • Proporcionando bons exemplos de como defender um ponto de vista – demonstrando, por exemplo, como antecipar e rebater contra-argumentos.


  • Auxiliando-nos a compreender a complexidade das relações humanas e a nos colocar no lugar do outro. Isso facilita, por exemplo, a elaboração de propostas de intervenção concretas e bem articuladas ao tema proposto.



Leia estes 10 Livros e aumente seu repertório do Enem


1 - O Conto da Aia – Margaret Atwood 

Livro: O conto de Aia.

Em O conto da Aia Margaret Atwood escreve sobre um totalitarismo cristão. A sociedade foi tomada por um grupo extremista cristão que mata seus governantes, extingue o direito das mulheres e as divide entre férteis e inférteis. 

As férteis são separadas para uma vez por mês serem estupradas pelos líderes e existem para esse único objetivo, trazer novas vidas ao país.


2 - Fahrenheit 451- Ray Bradbury

Livro: Fahrenheit 451

A obra acompanha a história de Guy Montag, um bombeiro que possui a função de criar incêndios e queimar os livros que ainda existem.


Tudo é controlado pelo governo e as informações são dadas por meio de Tvs instaladas nos ambientes. Os livros são proibidos pois o governo tem medo que as pessoas possam se rebelar ao ter contato com o conhecimento.


Um dia Montag conhece Clarisse, sua vizinha de 16 anos, que o faz questionar muitas questões em sua vida. Descontente com o caminho que as coisas estão tomando, Montag tenta mudar a sociedade e sai em busca da felicidade.


3 - 1984 – George Orwell


Livro 1984  de George Orwell

Winston vive em uma sociedade completamente dominada pelo Estado, no qual tudo é feito de forma coletiva, porém eles vivem sozinhos. Todos são vigiados pelos olhos atentos do Grande Irmão, uma símbolo político e totalitário do Partido que controla Oceania, por isso ter uma mente livre é considerado crime.


Cansado e angustiado, Winston se rebela com o governo secretamente, pois anseia pela liberdade e pela verdade. Ele se arrisca ao viver um relacionamento com Júlia, e juntos eles criam uma organização revolucionária secreta.


4 - Admirável Mundo Novo – Aldous Huxley

Livro: Admirável Mundo Novo

O Estado totalitário científico projeta os seres humanos, seus comportamentos e qual a posição social.Não existe paixão ou religião, os relacionamentos emocionais intensos são anormais e proibidos.

Em 634 df, depois de Ford, Bernard Marx mesmo pertencendo à elite genética é diferente dos demais, ele se sente excluído e se rebela contra o sistema. Uma visita a um dos poucos remanescentes da Reserva Selvagem, onde a vida antiga, imperfeita, subsiste, pode ser um caminho para curá-lo.


5 - Eu, Robô – Isaac Asimov

Livro: Eu, Robô – Isaac Asimov

Uma das distopias mais clássicas, Eu, Robô, escrito por Isaac Asimov, é um conjunto de nove contos, interconectados pela Dra. Susan Calvin, que apresenta seus relatos sobre a evolução dos autômatos através do tempo. É nesta obra que Asimov apresenta as célebres Três Leis da Robótica, princípios que regem o comportamento dos autômatos em toda a sua trajetória.


6 -  A Revolução dos Bichos - Geroge Orwell

Livro Distópico: A Revolução dos Bichos

O livro retrata uma granja onde os animais, cansados da opressão humana, realizam uma revolução e assumem o controle do local. Inicialmente, a sociedade animal é utópica, com igualdade e liberdade para todos. No entanto, com o tempo, os porcos, liderados por Napoleão, começam a corromper os ideais da revolução e a estabelecer uma ditadura tão opressiva quanto a dos humanos. 


A obra é uma crítica feroz ao totalitarismo e à corrupção do poder, especialmente ao regime stalinista na União Soviética. 


Para a redação do ENEM, "A Revolução dos Bichos" é um excelente exemplo de como ideais utópicos podem ser distorcidos, sendo útil para discutir temas como poder, corrupção e manipulação de massas.


7 - A Máquina do tempo - H.G Wells


Livro sobre Distopia: A Máquina do Tempo

Publicado em 1895, o livro segue as aventuras de um cientista conhecido como Viajante do Tempo, que viaja ao futuro e descobre um mundo dividido entre duas raças: os Eloi, seres pacíficos e infantis que vivem na superfície, e os Morlocks, criaturas subterrâneas que mantêm os Eloi como gado. 


A narrativa aborda temas como a decadência da civilização, a luta de classes e a evolução humana. Através dessa obra, é possível refletir sobre a natureza do progresso e os possíveis futuros da humanidade, o que pode enriquecer a argumentação em redações sobre avanços tecnológicos e suas consequências sociais.


8 - Laranja Mecânica


Livro sobre Distopia: Laranja Mecânica

"Laranja Mecânica" é um romance distópico de Anthony Burgess, publicado em 1962. Ambientado em um futuro próximo, o livro narra a história de Alex, um jovem delinquente que lidera uma gangue violenta. Após ser capturado, Alex é submetido a um tratamento de recondicionamento para eliminar sua capacidade de fazer escolhas morais, transformando-o em uma "laranja mecânica", algo que parece orgânico, mas é mecanicamente controlado. 


A obra explora temas como a violência, a liberdade de escolha e o controle estatal sobre os indivíduos. Para o ENEM, "Laranja Mecânica" é relevante para discutir questões éticas relacionadas à liberdade individual, a manipulação psicológica e os limites do poder governamental.


9 - O Processo - Franz Kafka

Livro sobre Distopia: O Processo

Escrito por Franz Kafka e publicado em 1925, "O Processo" é uma narrativa claustrofóbica e surreal sobre um homem chamado Josef K., que é preso e julgado por um crime não especificado.


Ao longo do romance, Josef K. enfrenta uma burocracia judicial opressiva e inexplicável, simbolizando a impotência do indivíduo diante de sistemas autoritários e irracionais. 


A obra é uma poderosa alegoria sobre a alienação, a justiça e a arbitrariedade do poder. Para a redação do ENEM, "O Processo" pode ser usado para discutir temas como a justiça, os direitos humanos e a burocracia, proporcionando uma análise crítica das instituições sociais e políticas.


10 - O Senhor das Moscas - William Golding

Livro sobre Distopia: O senhor das Moscas

Publicado em 1954, "O Senhor das Moscas" é um romance distópico escrito por William Golding. A história começa com um grupo de meninos que ficam presos em uma ilha deserta após um acidente aéreo. À medida que tentam se organizar para sobreviver, a civilização começa a se desintegrar e a natureza humana revela seu lado mais sombrio. 


Conflitos, violência e a luta pelo poder emergem, culminando em uma tragédia. O livro explora temas como a natureza humana, a civilização versus barbárie e a perda da inocência. 


"O Senhor das Moscas" é um recurso valioso para a redação do ENEM, pois oferece uma reflexão profunda sobre o comportamento humano em situações extremas e a fragilidade das estruturas sociais.


Impacto social e cultural dos livros Distópicos


Os livros distópicos têm desempenhado um papel significativo na literatura e na sociedade ao longo dos anos, refletindo preocupações contemporâneas, influenciando a cultura popular e a mídia, e gerando adaptações cinematográficas e televisivas que ampliam ainda mais seu alcance. 


Reflexão de preocupações contemporâneas


Controle Governamental e Vigilância

Uma das preocupações mais recorrentes nos livros distópicos é o controle governamental excessivo e a vigilância. "1984" de George Orwell é um exemplo clássico dessa temática, onde o Grande Irmão observa todos os aspectos da vida dos cidadãos. Este livro foi publicado em 1949, mas continua relevante na era digital, onde a privacidade é constantemente ameaçada por tecnologias de vigilância. 


A crescente utilização de câmeras de segurança, coleta de dados pessoais por empresas e governos, e o monitoramento das atividades online fazem com que a visão de Orwell pareça cada vez mais profética.


Desigualdade social e econômica

Outra preocupação presente em muitos livros distópicos é a desigualdade social e econômica. Em "Admirável Mundo Novo" de Aldous Huxley, a sociedade é rigidamente dividida em castas, com os Alfas desfrutando de todos os privilégios enquanto os Epsilons realizam trabalhos servis. 


Esta estratificação social reflete as crescentes disparidades econômicas observadas na sociedade moderna, onde a concentração de riqueza em mãos de poucos e a precarização do trabalho são questões cada vez mais urgentes.


Tecnologia e Desumanização

A tecnologia é um tema central em muitas distopias, frequentemente retratada como uma força desumanizante. "Fahrenheit 451" de Ray Bradbury, por exemplo, apresenta uma sociedade onde os livros são banidos e as pessoas são entretidas por telas gigantes, resultando em uma população alienada e superficial. 


Na era das redes sociais e da realidade virtual, as preocupações de Bradbury com a distração e a superficialidade tecnológica ressoam profundamente, levantando questões sobre o impacto das tecnologias digitais nas relações humanas e na profundidade do pensamento.


Totalitarismo e Manipulação Psicológica

"Laranja Mecânica" de Anthony Burgess aborda a manipulação psicológica como forma de controle social. O protagonista, Alex, é submetido a um tratamento de condicionamento que elimina sua capacidade de fazer escolhas morais, transformando-o em uma "laranja mecânica". 

Esta obra questiona até que ponto é aceitável sacrificar a liberdade individual em nome da ordem social, um dilema que continua relevante em debates sobre políticas de segurança e controle estatal.


Catástrofes Ambientais

A degradação ambiental e suas consequências catastróficas são temas comuns em distopias modernas. "O Conto da Aia" de Margaret Atwood, além de tratar do totalitarismo e da opressão de gênero, também aborda o impacto da poluição e das mudanças climáticas na infertilidade humana. 


Em um momento em que o aquecimento global e a destruição ambiental são preocupações urgentes, as narrativas distópicas oferecem um alerta poderoso sobre os perigos de negligenciar a sustentabilidade ambiental.


Influência na cultura popular e mídia

Popularização e Acesso

Os livros distópicos têm uma presença forte na cultura popular, alcançando uma audiência ampla através de diversas mídias. Sucessos literários como "Jogos Vorazes" de Suzanne Collins e "Divergente" de Veronica Roth trouxeram temas distópicos para o público jovem adulto, criando um interesse renovado pelo gênero.


Estas obras não só venderam milhões de cópias, mas também inspiraram discussões sobre resistência, liberdade e justiça entre os leitores mais jovens.


Crítica Social e Polêmica

A capacidade dos livros distópicos de criticar aspectos da sociedade atual torna-os ferramentas poderosas para fomentar debates. Por exemplo, "O Conto da Aia" tem sido amplamente discutido em contextos de direitos das mulheres e políticas reprodutivas. 


A série de televisão baseada no livro ampliou ainda mais essa discussão, servindo como um espelho crítico das políticas e atitudes contemporâneas em relação às questões de gênero.


Adaptações e expansão do gênero

A adaptação de livros distópicos para o cinema e a televisão tem expandido significativamente o alcance e o impacto dessas histórias. Filmes como "Blade Runner", baseado em "Androides Sonham com Ovelhas Elétricas?" de Philip K. Dick, e "V de Vingança", adaptado da graphic novel de Alan Moore, trouxeram visões distópicas para um público global. Essas adaptações não apenas popularizam os livros originais, mas também introduzem novas interpretações e relevâncias contextuais.


Adaptações Cinematográficas e Televisivas

Fiel ao Texto

Muitas adaptações cinematográficas e televisivas buscam permanecer fiéis aos textos originais, capturando a essência das preocupações distópicas apresentadas pelos autores.


"1984" foi adaptado diversas vezes para o cinema e a televisão, cada versão tentando transmitir a opressão e o controle totalitário do livro de Orwell. Da mesma forma, "Admirável Mundo Novo" teve várias adaptações que exploram a estratificação social e a manipulação genética descritas por Huxley.


Interpretações Modernas

Outras adaptações tomam liberdades criativas para atualizar e contextualizar as histórias para audiências modernas. A série "Westworld", inspirada no filme de 1973 escrito por Michael Crichton, explora temas de inteligência artificial e consciência de uma maneira que ressoa com os avanços tecnológicos contemporâneos. 


Essas interpretações modernas não apenas mantêm o espírito das obras originais, mas também exploram novas dimensões dos temas distópicos à luz das tecnologias e questões sociais atuais.


Impacto Visual e Estético

O impacto visual e estético das adaptações distópicas também desempenha um papel crucial em transmitir a atmosfera opressiva e as temáticas das histórias. 


Filmes como "Blade Runner 2049" e "Mad Max: Estrada da Fúria" utilizam cinematografia deslumbrante e design de produção inovador para criar mundos que são ao mesmo tempo fascinantes e aterrorizantes. Esses elementos visuais ajudam a aprofundar a imersão do público nas narrativas distópicas e a enfatizar as mensagens subjacentes.


Discussões e Debates Gerados

As adaptações cinematográficas e televisivas de livros distópicos frequentemente geram discussões e debates públicos sobre os temas abordados. Por exemplo, a série "Black Mirror", embora não seja uma adaptação direta de livros, é fortemente influenciada por temas distópicos e levanta questões sobre tecnologia e sociedade em cada episódio. 


As conversas geradas por "Black Mirror" frequentemente repercutem nas redes sociais e na mídia, destacando a relevância e a urgência das questões exploradas.


Os livros distópicos refletem preocupações contemporâneas, influenciando a cultura popular e a mídia, e gerando adaptações cinematográficas e televisivas que ampliam sua mensagem.


Ao abordar temas como controle governamental, desigualdade social, tecnologia desumanizante, totalitarismo e catástrofes ambientais, essas obras não apenas entretêm, mas também oferecem uma crítica poderosa e necessária das sociedades modernas.


Em um mundo onde as preocupações refletidas nas distopias literárias se tornam cada vez mais presentes em nossas vidas, a importância dessas obras como ferramentas de crítica social e reflexão não pode ser subestimada.


Assim, os livros distópicos continuam a ser uma parte vital do diálogo cultural, oferecendo tanto uma advertência quanto uma esperança para o futuro.


Utilize sua nota do ENEM e estude na UniFECAF

Estuda na UniFECAF

A UniFECAF oferece aos estudantes a oportunidade de utilizar sua pontuação no Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM) como forma de ingresso nos cursos de graduação. 


  • Utilizando sua nota do ENEM, você tem a chance de obter uma bolsa de estudos ou descontos em sua mensalidade. Fazendo a inscrição via PROUNI, você consegue uma bolsa integral ou parcial, dependendo da sua pontuação e da disponibilidade de vagas para o curso desejado.


Essa modalidade de ingresso permite que os estudantes utilizem seu desempenho no exame como um critério justo e reconhecido para garantir sua vaga na UniFECAF, proporcionando uma oportunidade acessível e meritocrática para a continuidade de sua formação acadêmica.


Inscreva-se já e faça seu sonho virar realidade! 


Seu sonho, nossa meta! 💙


Siga a UniFECAF nas redes sociais:





135 visualizações0 comentário

Comentarios


bottom of page